Nada mais perceptível como a destruição de nossos sonhos em meio da falácia da alta performance.

Nos grandes lábios do éter

Como atravessar eras, fazer falta, beijar os grandes lábios do céu, sentir completude, dormir com a felicidade, transcender falhas, corrigir acertos, experienciar os erros do amor, chorar de felicidade, invadir o espírito alheio, fazer sexo com a alma do público, reincidir nos ápices, reviver toda a contemplação, estender segundos infinitos por meses, não tirar o sorriso da cara, rememorar todos os pores do sol? Como realmente fazer a diferença na vida das pessoas pelas quais temos apreço, como ser alguém melhor, como evoluir, como ser sincero sem magoar, como dar um tiro na cara do ego, degolar a solidão, desmembrar a tristeza, esquartejar a reatividade? Nos grandes lábios do éter rezam os gurus que a fonte criadora é matéria e antimatéria; o vértice da dualidade, a bipolaridade universal. Mas creio que mesmo os grandes direcionadores estão vagando sem bússola nesse mar de filosofias furadas, ideologias hipócritas baseadas em fraudes monumentais e falsidade solene. Nem discorro sobre as profundidades abissais como talheres no fundo da pia e todo seu lodo noturno, sua amálgama de buscas sem fim por prazeres descartáveis e validações concedidas por aqueles que realmente não nos acrescentam uma nesga de um nirvana contemporaneamente ditatorial e míope - falo apenas do que observo. Quero ganhar o mundo sem perder a alma, mas as devassas ecumênicas discordam do meu ponto de vista, da minha falta de parágrafos... Há milênios não bolino o papel com a caneta porém o sentimento está lá, mais vivo que nunca, como um monstro que cresce no escuro e se alimenta de banimento e ostracismos impostos. Nunca pedi muito, só que não me confundam com a primeira pessoa. Seria tudo tão mais fácil se... Se porra nenhuma... Nos rincões cósmicos da mente há tantas indagações que fazem meus joelhos doerem a ponto de pedir arrego para essa passagem física, mesmo sendo indiferente ao que dizem ser do espírito. Em dúvida vos digo: quero mesmo é beijar a boca da vida como se a amasse verdadeiramente. Receber um boquete molhadinho do universo. Gozar nas últimas consequências. Mas o que temos para hoje é um destino solitário em uma estrada vazia e esburracada... Faz frio? Já nem sei. Odeio que os ares se condicionem como esses novos tempos. Os cachorros de rua já nem latem mais. O espírito do tempo teve mais uma overdose e decidiu ir à missa. Eu sinto chamas. Quero arder de ébrio sem ter medo de abraçar o capeta. Quero voar sem rumo. Pousar em outras terras. Ver que ainda existem humanos sedentos por veracidade e calor... Mas meu ego diz que esse texto não é meu estilo. Minha mente quer que se foda. Minha consciência não sabe de onde saiu tudo isso. Minhas mãos e a vontade de sair por aí não param de me incomodar... Queria não me preocupar com o estilo, mas a voz que me acorda durante as madrugadas não deixa... Há adversidades que talvez sejam inexistentes, mas como beijar o céu sem levar pipoco na cara?  Como beijar os grandes lábios do éter, incólume???



Lançamento do livro de MaicknucleaR

Como sempre pronuncio em prelúdios "Cá estamos, noite bela e amigos lúdicos". Dia 22 tem lançamento do meu AS TRANSLITERAÇÕES DO ÓPIO. Vide evento.
https://www.facebook.com/events/702820719906367/?active_tab=about 
A Rubra lança livros e abraça os leitores num evento extraordinário lá no Patuscada. Dessa leva temos "A CARA JE", de Jesus Bajo; "INFIMUS", de Leo Mackellene; "A RAINHA DO FOGO INVISÍVEL", de Marcelo Ariel; "O NASCIMENTO DO SEXO", de Mauricio Salles Vasconcelos; "O SONHO DA CAPIVARA", de Vinícius Lima; e "SALMOS VERDES", de Djami Sezostre. Também faremos o lançamento físico de "AS TRANSLITERAÇÕES DO ÓPIO", de MaickNuclear. Estarão à venda outros livros da Rubra, incluindo "O OCO-TRANSBORDO", de Tiganá Santana e a reedição de "RIO SOU FRANCISCO", de Chico César.

Aguardamos todos vocês ao evento para celebrar o amor, o encontro e a literatura.

PS: haverá também o lançamento de "sobre nossas línguas a carne das palavras", de Beatriz Bajo, pela editora Patuá.
http://rubra-c-editorial.blogspot.com.br/

Cola na Veia na TV Cultura

Meu documentário Cola na Veia também foi veiculado no Porgrama Manos e Minas, na TV Cultura

Repercursão

Repercursão nacional e internacional do meu documentário COLA NA VEIA, que fala sobre a arte de rua com cartazes









PRIMEIRA PUBLICAÇÃO INTERNATIONAL DO COLA NA VEIA

SEM FOMENTO. Sem apoio ou conluios escusos e com compartilhamentos quase zero: PRIMEIRA PUBLICAÇÃO INTERNATIONAL DO COLA NA VEIA: "Wheat pasting is a cool form of Street Art. Many artists come up with awesome ideas and concepts which are printed extra large or are completely hand drawn. Recently we received the link of this cool documentary about wheat pasting. To be very honest, after seeing this documentary we’re really motivated to bring our voice to the streets".




Segunda publicação internacional do meu documentário "Cola na Veia"

Segunda publicação internacional do meu documentário "Cola na Veia"
http://www.isupportstreetart.com/media/


COLA NA VEIA


O documentário "Cola na Veia”, de MaicknucleaR, é uma produção independente que explora a pluralidade de temas e discursos que surgem da arte feita com cartazes - os lambe-lambe -, que interferem na urbanização das cidades utilizando somente papel e cola. São 30 artistas da cena de colagem que através de suas intervenções impactam a cidade com diversas expressões  que possuem um rico prisma de reivindicações, mensagens e reflexões.

The documentary "The Wheatpasting" explores the plurality of themes and discourses which emerges from the art made with posters through the city of Sao Paulo. Featuring 30 artists of the current wheatpasting scene, which through their intervention impact the city with various artistic expressions, creating a rich prism of themes and motivations all over the most variate urban scenarios.

Duração: 46:20
Filmagem, direção e edição: MaicknucleaR
Câmera: Carol Mondin, Evelyn Konig e MaicknucleaR
Filmado em São Paulo e Mauá em 2017
CONTATO: maicknuclear@gmail.com

Os artistas são Miurrauze, Discórdia, Giulia Takayama, Marco Maroveral, Rodrigo Creper, Lucas Cachorro,  Cauê Maia, Bianca Maciel, Mari Vieira, Ju Reimberg, Gabriel Ribeiro, Emilio Dossi, Bia Ferrer, Marlos Barros, Rafael Prado, Átila Fragoso, Renoir Santos, Aline Fidalgo, Carol Mondin, Lela Brandão, Lane Regato, Raul Zito, Haroldo Paranhos, Marcelo Fazola, Kelly Cristina, Karen Ka, Major, Ygor Marotta, Josias Leal e Ruben Luz.

ESPALHE ESSA NOTÍCIA NAS ESQUINAS DA SUA CIDADE:

ESPALHE ESSA NOTÍCIA NAS ESQUINAS DA SUA CIDADE: Dia 20/5 tem o lançamento ONLINE do doc "Cola na Veia". O documentário "Cola na Veia”, de MaicknucleaR, é uma produção independente que explora a pluralidade de temas e discursos que surgem da arte feita com cartazes - os lambe-lambe -, que interferem na urbanização das cidades utilizando somente papel e cola. São 30 artistas da cena de colagem que através de suas intervenções impactam a cidade com diversas expressões que possuem um rico prisma de reivindicações, mensagens e reflexões.⁠⁠⁠⁠ O lançamento oficial vai ser através da page: http://www.facebook.com/colanaveia no site oficial: http://www.abreai.com/colanaveia e no canal: http://www.youtube.com/nuclearonline
Cara. Passar pela vida sem tocar a alma alheia, sem consagrar a beleza das nuances, sem revolucionar vidas e pensamentos, sem insurgir contra os erros do estado e as mazelas do sistema, sem causar um sentimento plangente através de uma superação, sem sair do estado de ódio para a completude da paz, sem sair da mesquinharia vital, sem se comunicar com um estranho sem ter indiferenças, sem ter invadido o coração alheio com algo benéfico, em minha insana concepção atômica: não é viver. Sinceramente não sei que porra vocês buscam com suas artes, mas eu quero multiplos disso que acabo de descrever acima. Ainda não "cheguei lá". Mas to tentando desde 1993, quando escrevi minha primeira canção e como diz Les Brown "it's not over, until i win".

Questionando muito a vida e seus sentidos. Enfim, sem novidades. Muita filosofia, metafísica, psicologia, desvendamentos de sign(ificad)os e no final tudo é uma grande balela. Sem gurus, sem religiões, sem linhas Junguianas ou existencialistas a parte, as estrelas só brilham, não respondem nada! É muita falação para pouco sentimento verdadeiro e muita falação sobre sentimentos verdadeiros. No final acho que só podemos melhorar a nós mesmos. Se eu for um compositor eu tenho a obrigação de ser o compositor mais fudido que já existiu no planeta, e, mesmo que não consiga é vital tentar sê-lo. Isso foi somente um exemplo. A vida anda meia-boca demais e a primazia está com os pulsos cortados, faz tempo. Não tô falando de competição; eu vejo um mundo abundante e a competitividade é pra covardes desleais (há espaço para todos, mesmo que você acredite que não, seu otário). Se eu for amar, quero morrer de amores e ressucitar no terceiro chute no rabo. Se eu for atravessar a porra da rua vai ser de forma única e especial. Se eu beber um copo d'água vai ser um ato transcedental... Peço a Deus que me faça enxergar a beleza nas coisas mais simples, pois eu sou um dos que não sabem o que faz.

Exibição de COLA NA VEIA, documentário de MaicknucleaR

 
Exibição do documentário que explora a pluralidade da unicidade humana através de um rico prisma de discursos e motes feito com mais de 30 artistas de rua coladores de lambes. A pré-estreia é lá no Ateliê Daki, na Rua Rogério Fernandes, 20 - Grajaú, SP, após o workshop da Giulia Nakayama (13h). O lançamento mundial será no Stage Barra Funda, dia 29/4, às 20h, com exibição às 21h em ponto e com um after party/baladinha rock harcore FREE pra quem chegar até às 21h pra assistir o doc. O Stage fica Rua Brigadeiro Galvão, 871, São Paulo #lambelambe #streetstyle #streetarteverywhere #saopaulo #osmurosfalam #artederua #intervençãourbana ##art #coladefarinhadoc #colanaveia #olheosmuros #colagem #aruafala #pelacidade #maicknuclear #trailer #wheathpaste #pasteup #wheatpasting #stickemup #arteurbana #olheosmuros #osmurosfalam #artederua #pixo #aruafala #oqueasruasfalam
Exibição do documentário que explora a pluralidade da unicidade humana através de um rico prisma de discursos e motes feito com mais de 30 artistas de rua coladores de lambes. A pré-estreia é lá no Ateliê Daki, na Rua Rogério Fernandes, 20 - Grajaú, SP, após o workshop da Giulia Nakayama (13h). O lançamento mundial será no Stage Barra Funda, dia 29/4, às 20h, com exibição às 21h em ponto e com um after party/baladinha rock harcore FREE pra quem chegar até às 21h pra assistir o doc. O Stage fica Rua Brigadeiro Galvão, 871, São Paulo

Trailer de COLA NA VEIA (Documentário de MaicknucleaR)


EM BREVE EM:

Dormi de Touca


NRS ENSAIO

Ensaio do NUCLEAR REGGAE STYLIE, versão guitarra, voz e batidas.